tempo

sob a luz de qualquer chuva
brilham belas quaisquer
sombras

.piscam muitos os avisos

.as mensagens variadas
brevement’iluminadas
à retina gritam
mudas

.são faróis qu’em sua pressa
moldam, mudam
cada forma
.tornam piso perigoso
ao tornar certezas
tortas

.iludid’olhar
incauto
ao desliz’está
sujeito
(
ou à lev’escorregada
,à leveza dos
tropeços
)

.se depende do solado
,da matéria da calçada
,da pressão de dado passo
ou de reação veloz
,se de tudo isso junto ou
motiv’outro qualquer

,são d’acaso os fatores
tendo cert’um resultado

:ou se vai diret’ao chão
ou ao se se vai
atado

.sobr’os pés com tudo contra
,cauteloso com ciladas
,ri um pouco de si mesmo
,em lisura vê trapaças

:veio do instint’um
epa
,veio menear dos braços
,o receio da sujeira
,emendar com ossos
aço

;veio medo de seu sangue
,de desmai’ou corte fundo
,de na pele ver o roxo
,de desfalecer
imundo

.faltou ar por um instante
.quase não resfolegou
.com o se foi adiante

.se ao chão tivesse ido

.quando não se tem a sorte
,mesmo que balance o corpo
,mesmo que se grit’o
epa
,mesmo que atent’a tudo
,mesmo que ligeir’,astuto
não s’evita solo duro

.pod’apenas vir sujeira
,pod’intensa dor surgir
quando vai por terr’o todo
,quando tud’enfim ruir
:
pele osso pelo corpo
calça blusa bolsa compra
rasga sangra quebra corta
soco grito choro surto

.bom humor ou mau, quem
sabe? se prossegue sem
mancar? se não deve se
mexer? se lhe viram
escorregar? se ajuda lhe
darão? teve alguma
contusão ?cas’ou hospital
?depende

.esse se é seu
somente

.qualquer roxo qu’apareça
some logo, não s’
esqueça
.fiqu’um tempo no chuveiro
;tir’o que não for
bom cheiro
.qualquer medo qu’aborreça
some sim, sai da
cabeça
.fiqu’um tempo por inteiro
;tir’o que não for
certeiro

.qualquer nova cicatriz
traz histórias, algo
diz

.sob a luz de qualquer chuva
brilham belas quaisquer
poças

.piscam muitos os alarmes

.as calçadas são molhadas
,sutilment’acobertadas
,à visão são
ilusão

.são reflexos qu’em sequência
piscam, somem
sem essência
.tornam tudo inseguro
transformando chão em
muro

.malogrado pisar
falso
a um tomb’está
sujeito
(
ou à cert’enfermidade
,à certeza d’alto
preço
)

.se depende do caminho
,da distância almejada
,da tensão de quem caminha
ou do dia escolhido
,se de algo longe disso ou
razão não convier

,é d’escorregar na chuva
o temor do que virá

:ou se fere no relento
ou evita
confiar

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.